SOBRE NÓS

APOSTAR NO FUTURO COM A INSPIRAÇÃO DO PASSADO

0Aos primeiros anos do século XXI, ainda é possível ousar adoptar exemplos de um passado distante para projectar o futuro. Neste caso, é a Associação Empresarial de Viana do Castelo, AEVC, a recuar ao século XIX e a beber do empreendedorismo do grupo de homens que a fundaram, então com o rótulo de comercial no lugar do empresarial de hoje.

Estávamos em 1852. O tenente Matheus José Barbosa e Silva foi o mentor da ideia mas não o primeiro presidente, honra que coubea Matheus António dos Santos Barbosa. Nascia a Associação Commercial de Vianna do Castelo, fundada por alvará régio concedido pela Rainha D.Maria II. A validação surgiu a 7 de Dezembro de 1852 com a publicação de um decreto assinado por Fontes Pereira de Melo e publicado no Boletim do Ministério das Obras Públicas, Commercio e Industria. Nele, a monarca sancionava os primeiros estatutos da associação, destinada a “indagar as necessidades do comércio e indústria da localidade e procurar todos os meios legais para satisfaze-las. Estudar e defender os interesses comuns dos associados e promover o desenvolvimento de tudo quanto possa contribuir para a sua prosperidade”.

Esse documento dos primeiros Estatutos sobreviveu a todas as convulsões e está na actual sede da Associação, a “Casa dos Torrados”. No edifício, situado na Rua João Tomás da Costa, nasceu e viveu Abel Viana (1).

O que não está na posse da Associação é o primeiro alvará, de que já falámos. Julga-se que estará na Torre do Tombo, Arquivo Nacional, porque, como reza a história, não era pacífica a relação entre Dª. Maria II e seu tio, D. Miguel. Assim, o mais antigo Alvará na posse da Instituição data de 12 de Outubro de 1904.

2A primeira acta dá conta da eleição da primeira direcção da Associação Commercial, assim constituída:
Presidente – Matheus António dos Santos Barbosa, eleito com 30 votos; Secretários/Vogais – José Caetano da Silva, 29 votos; Matheus José Barbosa e Silva, 32 votos; José Dias Alves Vianna (29 votos); José Thomás de Souza Guimaraens, 27 votos.

O pensamento do grupo de comerciantes e empresários fundadores da Associação era o de aproveitar o porto de Viana do Castelo para expansão dos negócios e exportações dos seus produtos. Importa salientar que este porto minhoto era, na altura, mais importante do que o de Matosinhos. Era esta aposta, nas exportações, que relevava a importância de Viana em relação a Matosinhos, apesar da proximidade deste porto de mar com a cidade do Porto. Isto porque a localização estratégica de Viana permitia-lhe relações comerciais frutíferas, como, por exemplo, a que manteve com o porto de Cork (cortiça), na Irlanda.
De Viana exportava-se milho, vinho e outros bens de produção regional. É muito importante esta referência à produção da região entre Douro e Minho, porque também ajudava a fazer a diferença para Matosinhos, porto que só emergiu após a ascensão ao trono do rei D. Carlos.

Outro aspecto que os comerciantes de Viana souberam rentabilizar, uma vez mais com o decisivo apoio da sua Associação, foi a proximidade com o porto da Corunha, na altura um dos mais importantes da frente Atlântica da Península Ibérica. O comércio fazia-se de Viana para a Corunha e daqui para o Brasil. Após a independência do Brasil, manteve-se a ligação Viana-Corunha e daí os produtos seguiam para vários destinos europeus, sobretudo Irlanda, Bélgica e Países Baixos.

Por esta altura intensificava-se, também, a ligação entre os portos de Viana do Castelo e de Genk, na Flandres, a região Norte da Bélgica. Aos produtos já mencionados, importa acrescentar o vinho do Porto, que foi ganhando peso neste leque de exportações, mais, até, do que o vinho verde, produto nobre da região. Foi assim até à criação da Real Companhia Velha, altura em que o grosso da exportação de vinho do Porto passou a ser feito a partir de Matosinhos.

Cabe aqui referir um episódio que tão bem ilustra a importância da exportação do vinho do Porto para terras irlandesas. Julga-se que ainda hoje a marca Jameson, que produz o único whisky do mundo que é destilado três vezes, utiliza, para apurar o aroma frutado, cascos de vinho do Porto que partiram de Viana do Castelo. Outra convicção actual é a de que várias das pipas actualmente em exposição na Jameson partiram do porto de Viana do Castelo, cheias com vinho do Porto, há mais de um século.

Em suma, é da força destas exportações e rotas comerciais que nasce a Associação, muito mais do que da existência de lojas e pequenos comerciantes. Até porque existia, na cidade, um enorme entreposto onde os grandes comerciantes faziam os seus maiores negócios. Isto apesar de serem, quase todos, residentes em Ponte de Lima.

3
Entretanto, nasce outro grande fenómeno, a Feira Semanal em Viana do Castelo, em finais do século XVIII. Já no século XIX, a iniciativa de uma tal dimensão que quase todos os grandes vultos da literatura nacional a ela se referiram nas suas obras. Numa das edições das Farpas, Ramalho Ortigão refere-se-lhe como um grande entreposto comercial. A feira só começou a perder importância regional em meados dos anos 90 do século XX.

Esta feira tinha lugar todas as sextas-feiras, no espaço entre o jardim frontal às instalações da Associação até à zona do porto. Rapidamente se transformou na mais importante feira da região. Entre muitos outros produtos, ali era possível encontrar os lenços dos namorados de Vila Verde ou os cavaquinhos de Braga. Vinham os artesãos de filigrana, vinham os primeiros comerciantes de ouro, que depois se instalaram em estabelecimentos comerciais, tal como outros comerciantes de outros produtos característicos do Minho.

Ainda antes da implantação da República, cabe aqui uma referência a dois pormenores importantes que mexeram com o comércio e com a cidade de Viana do Castelo. Quando morre Dª. Maria e ascende ao trono D. Carlos I, o novo monarca visita Viana, num dos primeiros carros que existiram em Portugal.

Ainda sob o impulso dessa visita, quando, por iniciativa de Fontes Pereira de Melo (2) começa a construção da linha férrea em Portugal, pelo litoral, a Associação faz chegar a Lisboa, pela mão do deputado Manuel Espregueira (3), um dos primeiros directores da então Companhia dos Caminhos de Ferro, a proposta para que o comboio chegasse a Viana, a partir do Porto.

4

A proposta foi aceite, daí a construção da ponte Eiffel, há 153 anos. Posteriormente, nova vitória das forças do comércio da região, quando os comerciantes locais conseguiram levar o caminho-de-ferro até Valença do Minho, para poderem expandir os seus negócios.

Tudo isto surgiu nos últimos anos da Monarquia e, não por acaso, Viana do Castelo foi um dos últimos bastiões a ceder à República. Conta-se mesmo que a bandeira monárquica esteve ainda hasteada no Largo após a implantação da República, até 1912. Há, até, uma muito interessante prova física deste facto histórico, uma das primeiras bandeiras da Associação, com as datas 1852/1912.

É também a Associação que denuncia, nos últimos anos do século XIX, os primeiros actos de contrabando, de comércio ilegal, entre o Norte de Portugal e a Galiza. Esta actividade surgiu porque, devido ao peso dos impostos, era mais rentável ir a Vigo buscar as mercadorias para vender em território português, numa espécie de economia paralela. Até porque não havia, na altura, grande controlo das fronteiras. Dizia-se que “em Braga é vendido açúcar espanhol mais barato que em Viana”.

Conseguida a linha férrea, havia que voltar atenções para o porto de mar, a necessitar de intervenção porque já não satisfazia as necessidades do comércio da região, constatação uma vez mais feita por Manuel Espregueira.

 

Espanha Aqui tão Perto

A ligação com Espanha tem, também, a ver com as festas da Senhora da Agonia, e daqui resulta uma forte ligação à Associação. Isto porque as despesas das festividades foram, durante muito tempo, suportadas pelos comerciantes, representados num comité de festas organizado a partir da AEVC.

À época, Viana do Castelo possuía os chamados “banhos quentes”, da antiga Praia Norte “localizada no espaço onde hoje estão os Estaleiros Navais”. Também por isso Viana era um destino para muitos galegos, tantos que chegavam a dormir em grupos de seis/sete, no chão, em casas cedidas pelos pescadores locais.

Voltando à chegada do comboio e à implantação da respectiva Estação, Fontes Pereira de Melo (2) entendeu que era altura para um reordenamento da cidade de Viana do Castelo, organizado precisamente em torno da Estação. A avenida principal foi “rasgada” ao meio, cortando o centro histórico e gerando, através de duas freguesias – Santa Maria Maior e Monserrate – dois novos pólos comerciais.

 

Em 1939, consolidado o Estado Novo, a Associação aprova em Assembleia Geral a transformação em Grémio do Comércio do Concelho de Viana do Castelo. A mudança resultou da necessidade de cumprir um decreto-lei que rezava assim: “O Grémio constitui factor de cooperação activa com todos os outros factores da economia nacional e renuncia a toda e qualquer forma de actividade interna ou externa, contrária aos interesses da Nação Portuguesa”.

Na sequência desta grande mudança estrutural, é criado o Código Corporativo que institui a Comissão Reguladora do Comércio Local, no quadro do Grémio. Daqui resulta que a Instituição passa a deter a responsabilidade de gerir a distribuição de alimentos à população até ao termo da segunda guerra mundial. Em 1945 cessa esta obrigação, por extinção da Comissão Reguladora, substituída por uma Delegação Concelhia da Intendência Geral dos Abastecimentos.

Por via do código corporativo criado pelo Estado Novo, o Grémio do Comércio vianense pode finalmente rentabilizar as sinergias resultantes da anexação dos concelhos de Valença, Caminha, Paredes do Coura e Vila Nova de Cerveira, decidida em 1941 pelo subsecretário de Estado das Corporações e Previdência Social.

Na prática é a extensão do Grémio aos concelhos vizinhos, sobretudo do litoral, concelhos com pouca actividade comercial. O âmbito de acção extravasou Viana do Castelo para chegar a Valença, passando por Paredes de Coura. Importa dizer que esta era uma terra de gente com muitas posses, pelo que esta extensão foi mais a formalização de uma ligação já antiga em termos comerciais.

Recuperação Do Deus Mercúrio Simboliza Regresso Às Origens

5A restauração da liberdade no país permitiu à Associação libertar-se também da designação de Grémio Comercial. Em 1975 foi aprovada, em Assembleia Geral, a recuperação da denominação primitiva, Associação Comercial de Viana do Castelo. 14 anos depois, em 1989, a Câmara Municipal atribui à Associação a medalha de ouro da cidade, como reconhecimento da sua actividade em prol do progresso económico da comunidade vianense.

Em 1993 dá-se nova alteração no nome da Instituição. Por entre algumas alterações aos Estatutos destaca-se uma com uma relevância especial. A reconversão da Associação Comercial em Associação Empresarial de Viana do Castelo. Caía a carga algo redutora da designação comercial e é reforçada a capacidade de intervenção em áreas tão cruciais e emergentes quanto a indústria e serviços.

Com a tomada de posse da actual direcção dá-se a mais simbólica de entre algumas iniciativas que são acima de tudo um regresso às origens de que a Associação tanto se orgulha. Trata-se da recuperação da figura de Mercúrio (4), que deixara de existir desde a alteração para Grémio do Comércio.

Muito mais do que uma mera troca de símbolo, esta recuperação pretendeu ir buscar forças e inspiração ao que a Associação foi quando criada.

Surge também, com a chegada do actual presidente, engenheiro Luís Ceia, em 2009, um importante conjunto de novas orientações:

 

  • Redireccionamento da aposta na relação com Espanha.
  • 1Aposta na ligação com parques industriais e na criação de uma série de postos de atendimento em toda a região, de forma a haver um regresso à rua, ao tecido empresarial em relação ao qual havia-se cavado um certo distanciamento.
  • Incremento da ligação com a instituição Ensino, sobretudo profissional e superior, para haver uma ligação entre a procura e aoferta, daí resultando projectos com Universidades públicas e outras e com Politécnicos.
  • Projecto do levantamento de toda a malha empresarial da cidade.
  • Criação de uma lógica de ligação com outras instituições, comerciais e empresariais, do país.

Devolver a Associação aos seus filiados foi outras das apostas, que a actual direcção considera ganha. Nestes últimos dois anos e meio, a Associação atingiu cerca de dois mil associados, número que ronda 25% do total do distrito, que tem nesta altura cerca de 8700 empresas. Grande parte destas não é filiada em qualquer associação.

Também de 2009 para cá, houve uma reaproximação à Confederação do Comércio de Portugal; incrementou-se a relação com a Associação Empresarial de Portugal e, pela primeira vez, o distrito passou, através da AEVC, a estar representado ao mais alto nível na direcção da Confederação Empresarial de Portugal. Para além disso deu-se início à recuperação do património histórico e á reabilitação do edifício da sede.

 

1) Abel Viana (1896/1964) arqueólogo, professor, historiador e etnógrafo.

2) Fontes Pereira de Melo foi o responsável pelo primeiro ministério das Obras Públicas em governos portugueses, durante o século XIX.

O seu empenho na realização de obras públicas, desde estradas ao caminho-de-ferro passando pelas comunicações, ficou conhecido como o Fontismo.

3) Deputado vianense em Lisboa e posteriormente ministro da Fazenda no reinado de D. Manuel II.

4) Mercúrio, em romano, era Hermes, na mitologia grega. Filho de Zeus e de Maia, foi o Deus do Comércio.

Associados AEVC por CAE

Indústrias extrativas:
Indústrias transformadoras:
Alojamento:
Restauração e similares:
Atividades de edição:
Atividades de processamento de dados, domiciliação de informação e atividades relacionadas e portais Web:
Atividades com interesse para o turismo:
Atividades de serviços administrativos e de apoioprestados às empresas:
Consultoria e programação informática e atividades relacionadas:

 

VER TODOS OS ASSOCIADOS

+ de 1300 Associados

Por Todo o Alto-Minho

Já Fazem Parte! E Você?

6 Razões para fazer parte da AEVC

1

Internacionalização

Apoio à exploração de mercados internacionais e facilitação de contatos para o efeito.
2

Acompanhamento da Política Pública

Defesa dos interesses dos empresários da região junto dos agentes responsáveis pela elaboração e execução de políticas públicas.
3

Apoio ao Empreendedorismo

Dinamização do ambiente de apoio ao empreendedorismo nas indústrias criativas, apoio ao empreendedor e às organizações de suporte ao empreendedorismo.
4

Informação

Recolha e análise contínua de informação sobre a região e sua disseminação juntos dos seus associados.
5

Oportunidades de Financiamento

Identificação e informação de oportunidades de financiamento relevantes para o setor e orientação próxima sobre as formas de financiamento mais apropriadas..

6

Networking e Parcerias

Criação de sinergias entre diversos agentes, quer através de momentos de networking apropriados, quer através da facilitação de contatos.

 

Somos a AEVC

A nossa equipa é constituída por profissionais experientes, dinâmicos e dedicados, devidamente certificados para as funções que desempenham, assegurando desta forma aptidões técnicas e responsabilidade pelo apoio aos nossos associados.

O que dizem os nossos associados sobre a AEVC

  • "Para a nossa empresa a AEVC tem sido sem dúvida alguma uma mais-valia, trouxe-nos uma maior consciencialização para a necessidade da certificação, bem como, os benefícios inerentes a ela, tendo em conta as exigências do mercado atual (interno/externo), por forma a dar continuidade à nossa política da qualidade (qualidade serviço/produto)."
    SanitopSócio AEVC

Corporate Partners

Seja Associado AEVC!